Archive for the ‘saude comunitaria’ Tag

Promoção de Saúde numa comunidade…é possível!

Mudar os índices de saúde através da informação de qualidade sobre doença e saúde, da orientação sobre mudança de hábitos é mais do que necessário e urgente nesse cenário de aumento geométrico (epidêmico mesmo) de doenças cronicas degenerativas entre nós. É essencial também buscar parcerias dentro da própria comunidade, estimulada pelo apoio às suas necessidades imediatas (e mediatas) em relação ao cuidado da própria saúde.
ARREGAÇANDO AS MANGAS…
A primeira sugestão é avaliar os níveis de saúde através de questionários a serem implementados na comunidade por “agentes de saúde” treinados/ orientados para formulação de perguntas que permitem inferir o nível de saúde da população assistida. E aferição de dois índices médicos importantes em relação à triagem de doenças cronicas degenerativas de maior expressão e que podem ser evitadas com mudança de hábitos e estilo de vida: a hipertensão arterial e o diabetes mellitus.
A pressão arterial (PA) e a glicosimetria são fáceis de serem feitos por leigos e com custo minimo dos aparelhos a serem utilizados (ambos digitais), além de aprendizado simples. A PA e glicose seriam aferidas, a principio, apenas em adultos/ idosos, ou se houver dificuldade maior, apenas nos indivíduos com sobrepeso.
O peso e altura devem ser medidos também. Em todos os indivíduos. Em crianças menores de 2 anos…medir o comprimento pelo menos(fita métrica já dá uma ideia inicial…)
Segue abaixo questionario com perguntas a serem respondidas com intuito de analisar o publico-alvo da intervenção para melhoria da saúde. São dados como gênero, idade, peso/altura,hábitos nocivos à saúde, hábitos alimentares e de atividade física. O inventário de saúde seria acrescido da medida da PA e de medida única,isolada com glicosímetro. Uma estimativa da saúde da população avaliada é o ponto de partida para implementação das estrategias necessárias à melhoria dos índices de saúde e bem estar da comunidade assistida.
Qualquer farmácia vende aparelhos digitais para aferição de PA e glicosímetros (muitos foram testados pelo Inmetro e Proteste e  considerados “ruins”). Mas note-se que a intenção não é fornecer insulina para tratar diabéticos e basear as doses na aferição pelo glicosímetro. Aí, sim o glicosímetro pode não ser interessante, especialmente se a marca for ruim. Mas, com objetivo de identificar indivíduos de risco, pode ser de grande ajuda a aferição pontual da glicose utilizando-se um desses aparelhos disponíveis no mercado. O mesmo vale para as balanças digitais baratas.
O que seria necessário:
-IMPRIMIR  folhas de questionário (numero correspondente ao numero de indivíduos da comunidade )
-COMPRAR: balança digital, fita métrica, aparelho de pressão digital (melhor com esfigmomanômetro acoplado) e glicosímetro
-TREINAR pessoal para aplicação dos testes (de preferencia alguém local com interesse na melhoria dos índices de saúde da comunidade)
-EXECUTAR a coleta de dados dentro do prazo estimado
-PROMOVER a integração com alguma autoridade de saúde local ( região administrativa R.A.), estimulando os indivíduos da comunidade a buscar maior qualidade de vida e ao mesmo tempo ter maior autossuficiência na promoção de saúde.

QUESTIONARIO INDIVIDUAL DE AVALIAÇÃO DE SAÚDE

VARIÁVEIS DEMOGRAFICAS E DE SAUDE:

GENERO:

Masculino (   )    Feminino (   )

IDADE:

Criança (   ) Adolescente (   )  Adulto (   )  Idoso (mas 65 anos) (   )

RELAÇÃO PESO/ALTURA: 

Peso (descalço e com o mínimo de roupa)  _________

Altura                                                            _________

*Comprimento (crianças < 2 anos)               _________

AVALIAÇÃO DA SAUDE:

Ruim (    )  Nem ruim nem boa (    )   Boa (    )

PROBLEMA DE SAUDE ATUAL:

Sim  (    )   Não  (    )

Quais sinais/sintomas:  ____________________________________________________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

FUMANTE:

Sim (    )   Não  (    )

Uso (médio) diário:  ______________________________________

 CONSUMO BEBIDA ALCOOLICA

Sim (    )   Não  (    )

Uso (médio) diário:  ______________________________________

PRESSÃO ARTERIAL (sentado):   _____ X  _____ mmHg

GLICOSIMETRIA (avaliação pontual glicose):  ___________

 

VARIÁVEIS DE ATIVIDADE FISICA

PRATICA DE EXERCICIO FISICO 

SIM  (    )   NÃO  (    )

FREQUENCIA EXERCICIO FISICO

1 a 3 dias semana  (    )

4 ou mais dias semana  (    )

DURAÇÃO DO EXERCICIO FISICO

Menos que 20 min  (    )

Mais que 30 min   (    )

 

VARIÁVEIS ALIMENTARES:

CONSUMO DE FRUTAS:

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE VERDURAS, LEGUMES, CEREAIS E BROTOS:

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE CARNE VERMELHA COM GORDURA

Retira o excesso de gordura visível (    )

Consome com a gordura (    )

CONSUMO DE CARNE DE FRANGO / GALINHA COM PELE

Retira o excesso de gordura visível (    )

Consome com a gordura (    )

CONSUMO DE CARNE DE FRANGO/GALINHA COM PELE

Retira a pele (    )

Consome com a pele (    )

TOMA ÁGUA REGULARMENTE (média de 1.5 a 2 litros/dia)?

Sim  (    )    Não  (    )

TIPO DE LEITE CONSUMIDO

Integral (    )  Outro tipo  (    )  ou NÃO consome  (    )

CONSUMO DE FEIJÃO

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE REFRIGERANTE OU SUCO ARTIFICIAL

Menos que 2 dias  da semana  (    )

Tres ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE INDUSTRIALIZADOS (bolos, doces, biscoitos, macarrão instantâneo, snacks, salgadinhos, barras de cereais, balas, etc)

Eventualmente  (    )

Duas vezes na semana  (    )

Mais de 2 vezes na semana  (    )

Diariamente  (    )

TOMA MAIS DO QUE 3 XICARAS PEQUENAS DE CAFÉ POR DIA?

Sim (    )     Não  (    )

 

Este questionario  é um EXCERTO (condensado de 3 questionarios disponíveis nos links abaixo)

www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/download/9949/pdf

www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/download/9949/pdf

https://www.ufmg.br/congrext/Saude/WORD/Saúde42a.doc

 

Não foi incluído questionário de doenças por que entender que na maior parte das comunidades poucos têm acesso a medico (diagnostico e tratamento).
Uma vez feita a analise dos dados obtidos com os questionários de avaliação de saúde de um grupo a ser monitorizado, deve-se estabelecer prioridades para intervenções. Além de criar grupos de estudo para identificar estrategias mais assertivas para cuidar de cada “braço” do programa, deve-se estimular a curiosidade do grupo assistido e criar espaço para responder duvidas e passar informação útil em promoção de saúde.
Esse é o primeiro passo!
Simples de programar. E de fácil execução…pelo menos bem mais fácil do que o desafio de mudar hábitos de vida e índices de saúde sem explicar por que. Sem investir em informação, sem acreditar que tudo isso é possível! A vontade de acertar e fazer o que deve ser feito é apenas o começo.
Mas o primeiro passo tem que ser dado!
ELIZABETH NAVARRETE
errnavarrete@gmail.com
Anúncios

Busca de parcerias para ação comunitária em Saúde!

Este é o inicio da implementação de ação civil (um coletivo de profissionais de saúde) em prol das comunidades (ainda) não assistidas pela atenção primária do programa de saúde da familia (PSF) no Rio de Janeiro. Mais especificamente na Barra da Tijuca.

 

O que propomos é o oposto do assistencialismo praticado por entidades religiosas (todos os credos),que têm feito um trabalho muito interessante e mais do que necessario à comunidades carentes vizinhas,por elas assistidas. Elas são o grande conforto dessa gente excluída!

Mas eu e muitos outros aqui no Rio e  em todos os cantos do planeta pensamos que se não provermos a informação em saúde (nosso caso) e nas outras esferas da vida de relação, elas continuarão no patamar em que estão: assistidas em e
para uma sobrevivência um pouco mais digna. Tão somente!

A auto-sustentabilidade deve ser a meta para essas comunidades. A criação de núcleos bem sucedidos em relação à inclusão social e em educação para a saúde ,incluindo uma ponte facilitadora da utilização dos polos assistenciais geridos pelo governo (UPAs,APs,postos de saúde, ambulatórios  e hospitais próximos a cada comunidade assistida), daria suporte à multiplicação de ações semelhantes em outras comunidades.

Muitos médicos na faixa etária próxima aos 60 (minha) têm,agora,maior disponibilidade de tempo.Se conseguíssemos alguns clínicos e pediatras ou mesmo de outras especialidades (até porque continuamos a saber mais sobre saúde,mesmo não sendo generalistas, do que os indivíduos leigos) seria muito bom! Na prática,a doação de apenas 4 ou 6 horas por semana (num dia apenas)…
Se você, leitor, conhecer alguém que se interesse e tenha esse tempo disponível para doar,por favor dê meu email (comunidadeesaude@gmail.com) e o endereço do blog para conhecer o projeto e entrar em contato,ok?

Já existem modelos a serem adaptados às características de cada comunidade (os links estão no blog). E o próprio governo em seu site disponibiliza “cartilhas” a respeito. Ele apoia atividades semelhantes que o auxiliem nessa tarefa.

Existem várias comunidades na Barra da Tijuca que precisam de assistência! Quantos médicos, assistentes sociais, enfermeiros,psicólogos e moradores da Barra têm interesse e disponibilidade?

Vamos alinhavar alianças e contatos para a implementação do projeto?

 

Tomara que ele saia do papel!

Conversando sobre o voluntariado

Conversando sobre o voluntariado…

Toda e qualquer ajuda é (e deve ser) sempre bem vinda na esfera da ajuda ao próximo. E quando falo de ajuda ao próximo, me refiro à genuína vontade de ser de utilidade a outro individuo em situação de carência. Seja em relação à saúde física,emocional ou qualquer outra área em que possa estar implicada a  interação de dois seres humanos:carência afetiva nutricional,física e muitas mais…

Nós estamos crescendo juntos, todos,cada qual em seu ritmo,mas todos precisando uns dos outros.Quem já trabalhou ou trabalha nessa tarefa sabe que ao doarmos nosso tempo e habilidades a outros,estamos quase sempre ganhando mais do que estamos dando.Assim é que se dá o crescimento pessoal.A auto-avaliação sistemática e a orientação de quem já está a mais tempo no trabalho, desde que bem construída e sempre no formato de critica construtiva será sempre bem recebida e de grande ajuda ao individuo que naquele momento”está” voluntário e não precisa ser perfeito para se doar a outro porque nenhum de nós é perfeito. Cada um ,em alguma esfera do relacionamento interpessoal,  tem suas dificuldades.E elas vão desaparecer aos poucos,sendo trabalhadas no seio do convívio social, famíliar,comunitário e em tantos outros dos quais participamos.

O voluntario não se prepara para ser um doador …ele aprende ao longo do tempo em que trabalhar no voluntariado ,como se doar,como sentir “junto” o que o outro sente  e como amparar o próximo como desejaria ser amparado e acolhido se estivesse na mesma situação.

Se em alguns momentos isso fica muito difícil, aí está o ponto a ser trabalhado pelo próprio individuo no seu crescimento pessoal. Ele acabou descobrindo uma das suas resistências à entrega ao próximo.Ele então,com certeza, buscará em si próprio o entendimento do porque e achará a força necessária para se superar.Conversar com outros pode ajudar muito,porque nós somos, por natureza ,seres gregários, não somos os indivíduos que “estamos “ hoje: egoistas  individualistas, alheios ao que nos cerca.E nesse caso,quanto mais de nós pudermos compartilhar essas dificuldades, reservadamente ou em grupos (de avaliação das dificuldades de doação pessoal na área de interesse geral), mais bem estaremos fazendo a nós mesmos, além de ajudar o outro (voluntário).


O impulso de ajudar é inato, quase sempre são os freios sociais e o ambiente ao redor que nos fazem retroceder na intenção. Não vamos impor mais essa dificuldade ao trabalho voluntario. Numa analogia às fases do nosso desenvolvimento (desde o nascimento, infância até a  idade adulta), poderíamos inferir que o aprendizado se dá ao longo do caminho,nas repetições das ações e nos resultados delas reverberando em nós;  alem dos exemplos de outros de nós , já mais experientes, que a todo momento podem operar mudanças mais rápidas no outro,se soubermos chegar ate ele com carinho, muita vontade de ajudar e uma grande dose de tolerância. 


Voluntário também precisa de ajuda. Todos nós precisamos de alguma maneira, em algum momento!

 

Sites a serem visitados:


http://www.ongarvoredavida.org.br/index.php?option=com_contact&task=view&contact_id=1&Itemid=11

http://www.gestodeamor.xpg.com.br

http://www.aecsprojetobrasil.com.br/aecs.htm


Objetivo da AECS segundo a própria entidade:

“Desenvolver um programa de educação para a saúde, que previna doenças, promover estudos visando o conhecimento de doenças, suas causas e prevenção,e fundar manter um Centro de Saúde que atenda a toda comunidade, tanto para o tratamento, quanto para educação das pessoas na área de saúde”.

O grupo: Associação das Agentes Educadoras Comunitárias de Saúde do Canal do Anil

Sobre comunidades e voluntariado

SOBRE COMUNIDADES E VOLUNTARIADO

O que fazer para melhorar os indices de saúde da população carente?

A proposta é o oposto do assistencialismo praticado por entidades religiosas (todos os credos),que têm feito um trabalho muito interessante e mais do que necessário à comunidades carentes vizinhas,por elas assistidas. Elas são o grande conforto dessa gente excluída!

Mas eu (e muitos outros no Rio de Janeiro e em todos os cantos do planeta) penso que se não provermos a informação em saúde (nosso caso) e nas outras esferas da vida de relação,elas continuarão no patamar em que estão: assistidas em e para uma sobrevivência um pouco mais digna. Apenas!

A auto-sustentabilidade deve ser a meta para essas comunidades. A criação de núcleos bem sucedidos em relação à inclusão social e na educação para a saúde, incluindo uma ponte facilitadora da utilização dos pólos assistenciais providos pelo governo (postos de saúde,ambulatórios e hospitais próximos a cada comunidade assistida), daria suporte à multiplicação de ações semelhantes em outras comunidades.

Muitos médicos na faixa etária próxima dos 60 (minha) têm, agora, maior disponibilidade de tempo e se conseguíssemos mais 3 ou 4 clínicos e pediatras (ou mesmo de outras especialidades… porque continuamos a saber mais sobre saúde do que os indivíduos leigos,não é? ) já seria um bom começo!  E seria a doação de apenas 4 ou 6 horas por semana (num dia apenas)…

Se você conhecer alguém que se interesse e tenha esse tempo disponível para doar, por favor, dê meu email e o endereço do blog para conhecer o projeto e depois entrar em contato comigo!

Já existem modelos a serem adaptados às características de cada comunidade. A própria secretaria de saúde, o próprio governo, em seu site, disponibiliza “cartilhas” a respeito. Ele apóia atividades semelhantes que o auxiliem na tarefa de melhorar os índices de saúde e desafogue as unidades de pronto atendimento do município e do estado,atualmente superlotadas e sem condições de fazer melhor trabalho em relação à prevenção da doença e promoção da saúde.

Alguns sites a serem visitados:

http://www.epsjv.fiocruz.br/proformar/

http://www.sbmfc.org.br

http://www.mobilizacaonacional.kit.net

Vamos ajudar?

ESTRUTURAÇÃO DO PROJETO:

Ação pretendida:

Educação em saúde e organização comunitária como instrumentos para melhoria da qualidade de vida nas comunidades carentes.

O que se pretende realizar?

 

Atuar na comunidade levando orientação e cuidados básicos com atenção às prioridades, mas  paralelamente atuar com enfoque preventivo e com facilitação do  atendimento  em  unidades básicas de  saúde  e pratica  esporádica na área curativa.O  objetivo é a instrumentalização (educação  em normas de saúde) de cada individuo,para que ele assuma a responsabilidade pela sua própria saúde.Promover ação de prevenção e promoção da saúde.

Muitos outros já atuam no voluntariado para auxilio às comunidades carentes:

Educar o usuário dos serviços de saúde para que ele exerça papel ativo na sociedade  e atue para um mundo sustentável saúde integral em: www.sustentabilidade.org.br

Melhores condições de vida individual e comunitária, identificando e modificando os indicadores   de saúde da comunidade onde atuar.www.agenciadobem.org.br

ETAPAS:

-Definir metas de desenvolvimento na área de saúde da comunidade que serão  perseguidas a curto,médio e longo prazo (como nos projetos sociais da agencia)

-Avaliação dos Indicadores sociais da comunidade e atuação paralela à dos facilitadores  de ações pertinentes à área social,visando  agregar conhecimento para implementar de  forma sinérgica o trabalho de censo em saúde daquela comunidade e definir prioridades.

-Inserção do grupo na Associação de Moradores (apresentação do Projeto).

-Assembléias populares para identificação e recrutamento dos agentes comunitários de saúde.

-Palestras educativas (definição do formato, local de apresentação, datas,períodos)

-Criação de núcleo de comunicação comunitária (veiculação da informação no dia a  dia,compromisso com supervisão dos motivadores,canal direto com os facilitadores)

-Confirmar viabilidade das áreas de ação (higiene e saneamento, saúde oral, gineco- obstetrícia, pediatria,nutrição e clinica medica-hipertensão e diabetes)

-Planejamento especifico de cada braço do projeto.

Vamos ajudar?

 

 

A internet tem efeito multiplicador e precisa ser mais e melhor usada para discutirmos saúde,bem estar e ações que levem esse conhecimento a milhões de excluídos por esse Brasil afora.Existem muitos que já acordaram para essa realidade…mas há muitos ainda precisando de nós para terem a oportunidade de perceber que podem sim, viver com mais dignidade e mais qualidade.

Precisamos de voluntários para discutir o projeto, suas fases,determinar os alvos das ações e ajudar na implantação! Cada um de nós tem habilidades diferentes. Cada um fazendo a sua parte estará contribuindo para que se torne viável a execução da ação proposta.

Juntos podemos mudar a realidade de um outro conjunto de pessoas que dependem apenas de uma pequena ajuda para acordarem para uma nova percepção: a de serem capazes de gerir a própria vida,dando mais sentido e dignidade a ela.E quem sabe se transformando em co-autores de novas ações difundindo esse aprendizado.

Aguardamos voce!

PROJETO DESENVOLVER…uma grata surpresa!

 
  

Tive a satisfação de encontrar (num portal sobre voluntariado) esses jovens que estão fazendo um trabalho que agrega as comunidades em torno do bem estar comum.Mais ainda por serem futuros médicos que podem, mais rapidamente, através de ações como essa, ajudar a modificar o perfil da medicina praticada no nosso pais hoje.

 

Parabens pela iniciativa! Essa é uma necessidade imperativa da Escola Medica: capacitar o futuro medico no atendimento das necessidades básicas de saúde da maioria da população.A realidade dos assistidos na area da saúde não corresponde à da formação médica.Essa dissonancia é responsavel pela falta de efetividade das ações publicas nessa área. A propria Medicina está sendo rediscutida em relação à enfase aplicada à doença em detrimento da promoção de saúde. Bom ver jovens (futuros médicos) interessados em promover ações em saude e participando (talvez sem se dar conta) da mudança de paradigmas na área médica: a principal função do médico (esquecida pela maioria de nós) é a de ensinar ao individuo como manter sua saúde (ver definição de saúde da OMS) e não apenas tratá-lo quando ele está doente!

 

 

http://www.projetodesenvolverpe.web44.net

 

 

Assim eles se apresentam:

 

“QUEM SOMOS:

 

Construído e gerenciado por estudantes da Faculdade Pernambucana de Saúde, contando com o apoio da coordenação acadêmica do curso de medicina e do curso de enfermagem, o PROJETO DESENVOLVER iniciou suas atividades no dia 07 de fevereiro de 2007, data da nossa primeira visita ao PSF VIETNÃ, Unidade de Saúde da Família situada na cidade de Recife, capital do Estado de Pernambuco. Logo nesse dia, ao realizarmos uma caminhada pela comunidade com o objetivo de ter um primeiro contato com o local percebemos, entre outras coisas, uma grande população de crianças pelas ruas sem uma devida ocupação e uma quantidade significativa de jovens gestantes, muitas delas recém saídas da infância.
Ao longo do tempo, já nos atendimentos internos na Unidade de Saúde, pudemos constatar que não errávamos em nossas observações preliminares. Surgiu, a partir daí, a idéia de elaborar um projeto que contemplasse os diversos temas ligados à sexualidade para que pudéssemos esclarecer a população sobre determinados aspectos que considerávamos relevantes.  Ao mesmo tempo, sabíamos que tal atividade nos aproximaria da comunidade e fortaleceria o nosso vínculo com aquelas pessoas.
Com o passar do tempo, o projeto foi crescendo e hoje entre seus integrantes encontram-se estudantes de Medicina, que exercem sua prática comunitária nas mais diversas Unidades de Saúde da Família, e as estudantes  de Enfermagem, firmando uma integração entre os cursos.  
 
O PROJETO DESENVOLVER aparece hoje como um elo entre o mundo acadêmico e o microcosmo das comunidades carentes do nosso Estado, visando aproximar os estudantes de medicina e de enfermagem não só dos pacientes, mas, principalmente, de seres humanos que precisam de atenção, informação e respeito. “
 
 
 

 

 

Projeto em saude comunitária

Tenho interesse no trabalho para melhoria da qualidade de vida de comunidades carentes. Não especificamente apenas o grupo de pessoas assistidas dentro de uma comunidade mas, atraves de ações locais, possibilitar a extensão do projeto a outros grupos.
 
Há algum tempo venho buscando conhecer pessoas/entidades que auxiliem na implantação de projetos para dar sustentabilidade às ações preventivas em saude,especificamente minha área de interesse.Fiquei surpresa com a quantidade de ações,mundo afora,no sentido de oferecer ao homem,mesmo em regiões bastante pobres,condições de sobrevivencia com qualidade.São projetos que passam longe da esfera assistencialista (embora em alguns momentos se faça necessaria esta pratica que deve ,entretanto, estar sempre associada à orientação para a auto-suficiencia) e buscam,atraves do ensinamento de praticas para a sustentabilidade e da transferencia de habilidades,estimular a auto-confiança e o desejo de melhorar e mudar o cenario em que vivem estas pessoas.
 
Ações de prevenção e promoção da saude,compartilhamento de  ideias e experiencias a nivel comunitario e doação de tempo para ações que beneficiam outras pessoas e melhoram a vida de todos: é disso que se ocupa o voluntariado.
No setor saude,é necessario aumentar a conscientização da comunidade a respeito das boas praticas de higiene e saneamento(proliferação de doenças infecciosas),esclarecimento a respeito das doenças cronicas mais comuns (diabetes mellitus e hipertensão arterial,as mais prevalentes),levar noções de nutrição funcional (alimentos que funcionam como remedio e são viaveis,mesmo em se tratando de comunidade pobre).Mais ainda,esclarecimento de duvidas sobre metodos anti-concepcionais,doenças sexualmente transmissiveis e o que mais houver de interesse da comunidade (questões abertas a serem debatidas).
Alem de ser imprescindivel fazer uma avaliação de saude,atraves de censo,para se adequar o desenho do projeto às reais necessidades do grupo que se deseja alcançar.E encorajar a comunidade para assumir a responsabilidade pela implantação do projeto de melhoria de qualidade de vida,atraves da mobilização de facilitadores (possiveis lideranças locais).
 
No momento somos tres voluntarias: eu,uma colega que teve formação anterior em gineco-obstetricia e uma odontologa especializada em saude publica,mas o grupo tende a crescer rapido (talvez uma nutricionista e uma antiga simpatizante (com experiencia) de praticas de compartilhamento de conhecimento em saude da mulher)).Falta agregar um clinico geral e arregaçar as mangas.

 
Existem muitas formas de apresentação do trabalho às comunidades,para despertar o interesse delas na melhoria da qualidade de vida,movida pela agregação de força vinda de fora! Mostrar que elas podem ter mais,tendo acesso à informação e ajuda para trabalharem seus proprios problemas,dividindo suas dificuldades com outras que compartilham a mesma situação! A união faz a força,não é assim que se fala?
 
Por enquanto,deixo alguns sites para informação,se voces quiserem verificar alguns projetos:
www.sustentabilidade.org.br
www.tilz.tearfund.org/portugues
 
Esse tipo de projeto não deve estar necessariamente ligado a crença religiosa,embora cunhado
no ideal cristão de ajuda ao próximo.Muitos projetos (sites acima) foram adotados por evangelicos,protestantes,catolicos e gente de outros credos e servem a todos interessados em auxiliar no desenvolvimento de concidadãos,irmãos de crença ou não.Somos todos nós,nos dando as mãos e lutando por melhores dias.