Archive for the ‘comunidades desassistidas’ Tag

Promoção de Saúde numa comunidade…é possível!

Mudar os índices de saúde através da informação de qualidade sobre doença e saúde, da orientação sobre mudança de hábitos é mais do que necessário e urgente nesse cenário de aumento geométrico (epidêmico mesmo) de doenças cronicas degenerativas entre nós. É essencial também buscar parcerias dentro da própria comunidade, estimulada pelo apoio às suas necessidades imediatas (e mediatas) em relação ao cuidado da própria saúde.
ARREGAÇANDO AS MANGAS…
A primeira sugestão é avaliar os níveis de saúde através de questionários a serem implementados na comunidade por “agentes de saúde” treinados/ orientados para formulação de perguntas que permitem inferir o nível de saúde da população assistida. E aferição de dois índices médicos importantes em relação à triagem de doenças cronicas degenerativas de maior expressão e que podem ser evitadas com mudança de hábitos e estilo de vida: a hipertensão arterial e o diabetes mellitus.
A pressão arterial (PA) e a glicosimetria são fáceis de serem feitos por leigos e com custo minimo dos aparelhos a serem utilizados (ambos digitais), além de aprendizado simples. A PA e glicose seriam aferidas, a principio, apenas em adultos/ idosos, ou se houver dificuldade maior, apenas nos indivíduos com sobrepeso.
O peso e altura devem ser medidos também. Em todos os indivíduos. Em crianças menores de 2 anos…medir o comprimento pelo menos(fita métrica já dá uma ideia inicial…)
Segue abaixo questionario com perguntas a serem respondidas com intuito de analisar o publico-alvo da intervenção para melhoria da saúde. São dados como gênero, idade, peso/altura,hábitos nocivos à saúde, hábitos alimentares e de atividade física. O inventário de saúde seria acrescido da medida da PA e de medida única,isolada com glicosímetro. Uma estimativa da saúde da população avaliada é o ponto de partida para implementação das estrategias necessárias à melhoria dos índices de saúde e bem estar da comunidade assistida.
Qualquer farmácia vende aparelhos digitais para aferição de PA e glicosímetros (muitos foram testados pelo Inmetro e Proteste e  considerados “ruins”). Mas note-se que a intenção não é fornecer insulina para tratar diabéticos e basear as doses na aferição pelo glicosímetro. Aí, sim o glicosímetro pode não ser interessante, especialmente se a marca for ruim. Mas, com objetivo de identificar indivíduos de risco, pode ser de grande ajuda a aferição pontual da glicose utilizando-se um desses aparelhos disponíveis no mercado. O mesmo vale para as balanças digitais baratas.
O que seria necessário:
-IMPRIMIR  folhas de questionário (numero correspondente ao numero de indivíduos da comunidade )
-COMPRAR: balança digital, fita métrica, aparelho de pressão digital (melhor com esfigmomanômetro acoplado) e glicosímetro
-TREINAR pessoal para aplicação dos testes (de preferencia alguém local com interesse na melhoria dos índices de saúde da comunidade)
-EXECUTAR a coleta de dados dentro do prazo estimado
-PROMOVER a integração com alguma autoridade de saúde local ( região administrativa R.A.), estimulando os indivíduos da comunidade a buscar maior qualidade de vida e ao mesmo tempo ter maior autossuficiência na promoção de saúde.

QUESTIONARIO INDIVIDUAL DE AVALIAÇÃO DE SAÚDE

VARIÁVEIS DEMOGRAFICAS E DE SAUDE:

GENERO:

Masculino (   )    Feminino (   )

IDADE:

Criança (   ) Adolescente (   )  Adulto (   )  Idoso (mas 65 anos) (   )

RELAÇÃO PESO/ALTURA: 

Peso (descalço e com o mínimo de roupa)  _________

Altura                                                            _________

*Comprimento (crianças < 2 anos)               _________

AVALIAÇÃO DA SAUDE:

Ruim (    )  Nem ruim nem boa (    )   Boa (    )

PROBLEMA DE SAUDE ATUAL:

Sim  (    )   Não  (    )

Quais sinais/sintomas:  ____________________________________________________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

FUMANTE:

Sim (    )   Não  (    )

Uso (médio) diário:  ______________________________________

 CONSUMO BEBIDA ALCOOLICA

Sim (    )   Não  (    )

Uso (médio) diário:  ______________________________________

PRESSÃO ARTERIAL (sentado):   _____ X  _____ mmHg

GLICOSIMETRIA (avaliação pontual glicose):  ___________

 

VARIÁVEIS DE ATIVIDADE FISICA

PRATICA DE EXERCICIO FISICO 

SIM  (    )   NÃO  (    )

FREQUENCIA EXERCICIO FISICO

1 a 3 dias semana  (    )

4 ou mais dias semana  (    )

DURAÇÃO DO EXERCICIO FISICO

Menos que 20 min  (    )

Mais que 30 min   (    )

 

VARIÁVEIS ALIMENTARES:

CONSUMO DE FRUTAS:

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE VERDURAS, LEGUMES, CEREAIS E BROTOS:

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE CARNE VERMELHA COM GORDURA

Retira o excesso de gordura visível (    )

Consome com a gordura (    )

CONSUMO DE CARNE DE FRANGO / GALINHA COM PELE

Retira o excesso de gordura visível (    )

Consome com a gordura (    )

CONSUMO DE CARNE DE FRANGO/GALINHA COM PELE

Retira a pele (    )

Consome com a pele (    )

TOMA ÁGUA REGULARMENTE (média de 1.5 a 2 litros/dia)?

Sim  (    )    Não  (    )

TIPO DE LEITE CONSUMIDO

Integral (    )  Outro tipo  (    )  ou NÃO consome  (    )

CONSUMO DE FEIJÃO

Menos que 5 dias da semana  (    )

Cinco ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE REFRIGERANTE OU SUCO ARTIFICIAL

Menos que 2 dias  da semana  (    )

Tres ou mais dias da semana  (    )

CONSUMO DE INDUSTRIALIZADOS (bolos, doces, biscoitos, macarrão instantâneo, snacks, salgadinhos, barras de cereais, balas, etc)

Eventualmente  (    )

Duas vezes na semana  (    )

Mais de 2 vezes na semana  (    )

Diariamente  (    )

TOMA MAIS DO QUE 3 XICARAS PEQUENAS DE CAFÉ POR DIA?

Sim (    )     Não  (    )

 

Este questionario  é um EXCERTO (condensado de 3 questionarios disponíveis nos links abaixo)

www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/download/9949/pdf

www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/download/9949/pdf

https://www.ufmg.br/congrext/Saude/WORD/Saúde42a.doc

 

Não foi incluído questionário de doenças por que entender que na maior parte das comunidades poucos têm acesso a medico (diagnostico e tratamento).
Uma vez feita a analise dos dados obtidos com os questionários de avaliação de saúde de um grupo a ser monitorizado, deve-se estabelecer prioridades para intervenções. Além de criar grupos de estudo para identificar estrategias mais assertivas para cuidar de cada “braço” do programa, deve-se estimular a curiosidade do grupo assistido e criar espaço para responder duvidas e passar informação útil em promoção de saúde.
Esse é o primeiro passo!
Simples de programar. E de fácil execução…pelo menos bem mais fácil do que o desafio de mudar hábitos de vida e índices de saúde sem explicar por que. Sem investir em informação, sem acreditar que tudo isso é possível! A vontade de acertar e fazer o que deve ser feito é apenas o começo.
Mas o primeiro passo tem que ser dado!
ELIZABETH NAVARRETE
errnavarrete@gmail.com
Anúncios

Busca de parcerias para ação comunitária em Saúde!

Este é o inicio da implementação de ação civil (um coletivo de profissionais de saúde) em prol das comunidades (ainda) não assistidas pela atenção primária do programa de saúde da familia (PSF) no Rio de Janeiro. Mais especificamente na Barra da Tijuca.

 

O que propomos é o oposto do assistencialismo praticado por entidades religiosas (todos os credos),que têm feito um trabalho muito interessante e mais do que necessario à comunidades carentes vizinhas,por elas assistidas. Elas são o grande conforto dessa gente excluída!

Mas eu e muitos outros aqui no Rio e  em todos os cantos do planeta pensamos que se não provermos a informação em saúde (nosso caso) e nas outras esferas da vida de relação, elas continuarão no patamar em que estão: assistidas em e
para uma sobrevivência um pouco mais digna. Tão somente!

A auto-sustentabilidade deve ser a meta para essas comunidades. A criação de núcleos bem sucedidos em relação à inclusão social e em educação para a saúde ,incluindo uma ponte facilitadora da utilização dos polos assistenciais geridos pelo governo (UPAs,APs,postos de saúde, ambulatórios  e hospitais próximos a cada comunidade assistida), daria suporte à multiplicação de ações semelhantes em outras comunidades.

Muitos médicos na faixa etária próxima aos 60 (minha) têm,agora,maior disponibilidade de tempo.Se conseguíssemos alguns clínicos e pediatras ou mesmo de outras especialidades (até porque continuamos a saber mais sobre saúde,mesmo não sendo generalistas, do que os indivíduos leigos) seria muito bom! Na prática,a doação de apenas 4 ou 6 horas por semana (num dia apenas)…
Se você, leitor, conhecer alguém que se interesse e tenha esse tempo disponível para doar,por favor dê meu email (comunidadeesaude@gmail.com) e o endereço do blog para conhecer o projeto e entrar em contato,ok?

Já existem modelos a serem adaptados às características de cada comunidade (os links estão no blog). E o próprio governo em seu site disponibiliza “cartilhas” a respeito. Ele apoia atividades semelhantes que o auxiliem nessa tarefa.

Existem várias comunidades na Barra da Tijuca que precisam de assistência! Quantos médicos, assistentes sociais, enfermeiros,psicólogos e moradores da Barra têm interesse e disponibilidade?

Vamos alinhavar alianças e contatos para a implementação do projeto?

 

Tomara que ele saia do papel!